31 de dezembro de 2012



« BOM DIA de MANHÃ kuase TARDE , neste dia 31-12-2012 , ou seja , mais um ano k termina para dar início a um outro k alguém decidiu chamar-lhe de Ano de 2013. Mais logo , espero k enterrem bem o ano velho e festejem com esperança a chegada do Ano Novo ...

28 de dezembro de 2012

Teatro

“ Diz-me Rápido ” com últimas exibições

Em cena desde dia 01 de Dezembro, “Diz-me Rápido”, protagonizado por Sofia Nicholson e Marina Albuquerque vai estar em cena só até domingo, dia 30 de Dezembro.

“Diz-me Rápido” é uma peça que em cerca de 15 minutos provoca, entusiasmo, sorrisos, tudo isto porque o conceito de representação é pouco comum, e a forma como se aborda o texto e as performances das protagonistas, que se representam, revelam uma forma inovadora de fazer Teatro.

Vindo no seguimento da peça “Diz-me dEças”, “Diz-me Rápido” poderá ser o “prefácio” de mais um “Diz-me Mais dEças que surgirá em 2013.
Na nota de imprensa pode ler-se que se trata “de um ensaio partilhado de forma divertida com o público, que vai ficando crescentemente surpreendido com a actualidade de textos tão antigos. E que vive a experiência da construção de um novo espectáculo. Tenta-se que, a sorrir, o público auto-analise algumas idiossicrasias humanas, enquanto assiste a algumas ‘birras’ entre duas actrizes que se conhecem bem”.
Turismo

Mata do Buçaco recebe peddy-paper nocturno


Será no próximo dia 28 de Dezembro que a Mata do Buçaco receberá um certamente divertido peddy-paper nocturno.
A organização estará a cargo da Fundação Mata do Buçaco e da empresa Aventuris, naquele que promete além de muita diversão, ser também um peddy-paper onde os participante poderão obter um maior conhecimento da fauna, da flora e do património.
Os participantes podem inscrever-se por grupos ou individualmente, sendo integrados noutros grupos.
O objectivo é percorrer a Mata, procurando objectos, lugares, luzes, com a ajuda de um mapa, perspicácia, de lanternas na mão e muita vontade de ganhar.
Todo o material é fornecido pela organização.
Teatro

“ Isto é que me dói ” de Paulo Pontes no Villaret


A partir de 30 Dezembro, José Raposo e Sara Barradas estarão no palco do Teatro Villaret para apresentar uma peça do brasileiro Paulo Pontes, “Isto é que me dói” com encenação de Francisco Nicholson.

De salientar que há 35 anos Raul Solnado interpretou esta comédia no Teatro Variedades.
E talvez port isso José Raposo comentou relativamente a esta sua produção:
Pela admiração que sempre nutri por ele [Raul Solnado], decidi produzir a peça (com a Sara Barradas) no Teatro Villaret e interpretar este “Zé Tiago”, uma personagem de uma tremenda humanidade (como o Raul!), que combate até ao fim pela “única coisa que lhe resta que é o seu corpo”, mas acaba derrotado pelo sistema.

O texto do brasileiro Paulo Pontes, conhece agora uma nova dimensão, não deixando de focar as aventuras e desventuras de um actor internado num hospital público.
Trata-se de um comédia de crítica afiada e certeira, e com muita actualidade e que tem a ainterpretá-la, para além de José Raposo e Sara Barradas, Fátima Severino, Miguel Raposo, Ricardo Raposo, Joel Branco, actor convidado que entretanto participu na versão de 1977, e ainda a participação especial de Joaquim Nicolau.
“Isto é que me dói” é uma peça que embora já com alguns anos versa uma realidade hospitalar que infelizmente continua muito actual em Portugal e não só.
Cinema

Le Monde elege filmes de Miguel Gomes e Manoel de Oliveira os melhores de 2012.


Os filmes "Tabu", de Miguel Gomes, e "O Gebo e a Sombra", de Manoel de Oliveira, são para o Le Monde os melhores filmes de 2012, e ainda "Cosmopolis", de David Cronenberg, produzido por Paulo Branco.
"Num contexto de crise, o ano cinematográfico ficou marcado por filmes de uma vitalidade plural e mutante, como “Tabu” e “Holy Motors” , que dominam as escolhas dos críticos do Le Monde", justifica o diário francês.

Entretanto os críticos de cinema do jornal nas escolhas que cada um faz em quase todas aparece "Tabu", longa-metragem de Miguel Gomes que estreou em mais de 40 salas em França e conquistou grande atenção internacional ao longo de 2012.

O filme,a preto e branco, conta uma história de amor passada entre a actualidade em Portugal e o passado numa África colonial, um filme que é caracterizado pelo Le Monde como "uma homenagem à idade de ouro do cinema" e "ao império do cinema mudo".

Ainda em relação a 2012, o Le Monde elegeu "O Gebo e a Sombra", de Manoel de Oliveira, filme criado a partir de uma peça de teatro de Raul Brandão, e também já exibido no circuito francês.

Para os críticos do jornal, Manoel de Oliveira, 104 anos, fez "a fábula mais pertinente sobre os prejuízos de um neoliberalismo sem ética", num tempo marcado pela "crise económica, moral e social

Cultura

Revista " Egoísta " homenageia os Artistas e a Arte


Na sua 50ª edição, a revista “Egoista”, reservou ao longo das suas mais de 100 páginas, uma criteriosa selecção de portfólios dedicada aos Artistas e à Arte.
Nesta edição da revista, o director, Mário Assis Ferreira, escreve no editorial “A nossa homenagem aos Artistas, mestres e artífices de estados de alma. Porque neles o objectivo profundo é dar mais do que aquilo que têm; e, porque neles, coexiste a íntima percepção de que nada pode sair do Artista que já não esteja no Homem”.
Já a editora, Patricia Reis, explica que “A revista “Egoísta” celebra, em Dezembro, a chegada à 50ª edição com um namoro assumido com os Artistas e as Artes e, apesar de ser uma capa de estudante de Belas Artes, passível de enganar, aqui se encontram grandes artistas e não, apenas, estudos ou esboços”, remata dizendo “Fizemos uma revisão da matéria dada e fomos verificar todos os vencedores do Prémio Bolsa das Artes atribuída anualmente pelo Casino da Póvoa. Júlio Pomar foi o vencedor deste ano, de 2012, e na história deste prémio estão já Graça Morais, José Rodrigues, Armando Alves, Júlio Resende, Alberto Carneiro e, por fim, Nikias Skapinakis, o primeiro vencedor”.
Para além de artistas consagrados, a revista guarda ainda espaço para os novos valores da arte, conseguindo nesta 50ª edição, passar em revista, todos aqueles que contribuíram, contribuem e contribuirão para a arte com o seu trabalho.
A revista deixa ainda duas propostas a nível de texto como um excerto de um ensaio assinado por Agustina Bessa-Luís e ainda um ensaio sobre os diferentes auto-retratos de Rembrandt pela pena de António Mega Ferreira.
Teatro

“ Lar doce Lar ” no Casino Lisboa

Maria Rueff e Joaquim Monchique, os protagonistas de “Lar Doce Lar”, instalados que estão na residência Antúrios Dourados para Séniores de Qualidade, vão continuar a fazer rir os espectadores com a sua vida atribulada, de 27 de Dezembro a 03 de Fevereiro, numa curta temporada de espectáculos extra.

O espectáculo terá lugar no Auditório dos Oceanos, no Casino Lisboa ao Parque das Nações.

De 14 de Março a 14 de Abril, “Lar doce Lar” irá até ao Porto com a representação marcada para o palco do Teatro Sá da Bandeira.

Nadine Gordimer lê Saramago no The Guardian

Nadine Gordimer lê Saramago no The Guardian
Este Natal, o jornal britânico The Guardian convidou 12 escritores a gravarem um podcast com o seu conto favorito. A escolha de Nadine Gordimer, escritora sul-africana vencedora do Nobel da Literatura em 1991, recai sobre o conto de José Saramago “O Centauro”.

A estória é narrada durante cerca de 40 minutos pela vencedora do Nobel da Literatura que escolheu o conto de José Saramago como o seu favorito para partilhar com o resto do mundo.

No texto que acompanha o áudio, a escritora afirma que considera esta “uma história única de uma criatura imaginária, algo que é maior e melhor e diferente de um homem”.

Nadine explica que este conto é “o sonho de uma criatura que é metade cavalo, metade homem, com a força física de um cavalo e a complexidade mental de um homem”, acrescentando que esta “pequena história" vale tanto "como 20 romances ou 20 poemas”.

Esta série publicada na secção de Cultura do The Guardian vai continuar nos próximos dias com a divulgação de leituras de novos contos, até ao dia 04 de Janeiro.

Clique
AQUI para ouvir o podcast de Nadine Gordimer.

Santarém: Novo tratamento para o cancro da próstata

Santarém: Novo tratamento para o cancro da próstata
O Hospital Privado de Santarém tem, agora, à disposição um novo método de tratamento do cancro da próstata. Quando a doença é diagnosticada numa fase inicial, a técnica é capaz de eliminar definitivamente o tumor e garantir, ao mesmo tempo, a manutenção das faculdades sexuais do paciente.
O procedimento está a desenvolvido no hospital escalabitano pelo médico Paulo Corceiro, de 42 anos, que, em entrevista ao jornal local O Mirante, explicou que o tratamento recorre à braquiterapia, uma técnica que consiste na colocação de implantes radioativos na próstata que acabam por eliminar as células malignas do cancro sem necessidade de cirurgia.
"Parecem umas sementes de material radioativo que ficam a fazer radiação local na próstata durante cerca de seis meses. Acabam por debelar o cancro com menos agressividade para o doente e sem as consequências da cirurgia do ponto de vista da sexualidade", esclareceu o especialista, sublinhando que "estamos a falar de doentes a casa dos 50 e dos 60 anos".
De acordo com o clínico, o essencial é que a deteção seja precoce, pelo que Paulo Corceiro aconselha a que se façam exames a partir dos 50 anos (para quem não tem antecedentes da doença na família) ou a partir dos 45 quando haja casos do problema entre os antecessores.
"No caso da braquiterapia a deteção logo na fase inicial é um factor essencial", destacou Corceiro, acrescentando que, no entanto, "o cancro da próstata tem uma coisa boa": o facto de raramente evoluir de uma forma rápida.

Preço é o único "senão" deste tratamento
O único "senão" deste método é, segundo Paulo Corceiro, o preço: o tratamento não está acessível na maioria dos hospitais públicos por razões financeiras; no Hospital Privado de Santarém, custa 11.500 euros.
"Só as sementes radioativas custam, em média, 4.000 euros por cada doente. São importadas, essencialmente da Alemanha. É uma tecnologia cara e, nos tempos que correm, se há duas formas de tratar o mesmo tumor com igual eficácia, é natural que o Estado opte pela menos dispendiosa", admitiu.
A braquiterapia começou a ser utilizada há cerca de 10 anos nos EUA e, embora não seja uma cirurgia, exige o recurso à anestesia geral. O procedimento demora entre 45 minutos a uma hora e o doente tem alta no dia seguinte.


Braga: Maior presépio vivo da Europa em Priscos

Braga: Maior presépio vivo da Europa em Priscos
É português o maior presépio vivo da Europa. Esta verdadeira montra humana, vai ser inaugurada no dia próximo dia 23 na paróquia de S. Tiago de Priscos, em Braga, contará com a participação de 600 a 800 pessoas e vai manter-se até 6 de Janeiro.

Reforçar o sentimento de comunidade na paróquia de Priscos é o principal objetivo desta iniciativa que convida “todos os credos” a participarem deste presépio “porque todo o ser humano anda à procura da sua estrada, do seu caminho, de si próprio, da sua felicidade e sentido de vida”, refere uma nota publicada no site oficial desta iniciativa.

O espaço, situado junto à igreja e residência paroquial, terá cerca de “30 mil metros quadrados de ocupação e com mais de 90 cenários, com referência às culturas egípcia, judaica, romana, assíria, grega e babilónica”.

Nesta 6ª edição há algumas novidades introduzidas no presépio como a “Praça dos Povos”, que evoca a união dos povos, os “Rostos de fé”, que conta com a representação de Santos da igreja católica.

Ainda haverá a “Torre de Babel” e uma grande arca, elementos alusivos a passagens bíblicas muito conhecidas que apelam ao sentido de união de todos nesta época natalícia.

A inauguração do maior presépio vivo da Europa será no dia 23 de Dezembro pelas 10:30h e contará com a presença do do cardeal Manuel Monteiro de Castro, penitenciário-mor da Santa Sé, como representante do Papa Bento XVI .

Clique
AQUI para aceder ao site do Presépio de Priscos.

Alentejo: Antigas linhas férreas tornam-se ecopistas

Alentejo: Antigas linhas férreas tornam-se ecopistas
Os troços ferroviários desativados do Alentejo vão ser convertidos em ecopistas e integrados numa rede com outros percursos que permitirá transformar a zona numa "região cicloturística".

Em declarações à Lusa no início de Dezembro, o gestor do Plano Nacional de Eco pistas da Rede Ferroviária Nacional (REFER), Luís Manuel Silvestre, explicou que o plano pretende potenciar o Alentejo como região ideal para a prática do cicloturismo.

Assim, os cerca de 260 quilómetros de troços herdados da CP - Comboios de Portugal serão adaptados, requalificando-se e reutilizando-se “antigos corredores ferroviários, com o objetivo de preservar estes pilares da mobilidade”, explicou o responsável.

Às linhas desativadas serão adicionadas “estradas de baixa densidade de tráfego” e outras “rotas pedestres”, criando-se uma rede pedestre e uma ciclovia, que se pode constituir como um atrativo para o setor do turismo.

“O turismo de natureza tem um alcance imenso junto de determinado tipo de nichos de mercado”, sendo projetos destes “muito interessantes” em termos turísticos, defendeu António Ceia da Silva, presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, a propósito da criação das ecopistas.

De acordo com a REFER, na região Sul do país já existem ecopistas no antigo ramal de Montemor-o-Novo, com cerca de 13 quilómetros, e em grande parte do antigo ramal de Mora, entre Évora e Mora, numa extensão de cerca de 60 quilómetros.

Esta ação integra-se no Plano Nacional de Ecopistas da REFER, lançado em 2001, que visa requalificar e reutilizar as linhas e canais ferroviários desativados das áreas do Norte, Centro e Alentejo.

Uma mala que nos leva a viajar por Portugal

Uma mala que nos leva a viajar por Portugal
Fotos © Keyvalue
Dar a conhecer as empresas portuguesas, "a sua qualidade e unicidade", pelo país fora e além-fronteiras, através dos portugueses. É este o objetivo de um projeto lançado pela empresa Keyvalue, que colocou, dentro de uma mala de viagem de cartão que chegou a muitas mãos nacionais, exemplos do que há de melhor em Portugal, do vinho do Porto à cortiça, passando por Fernando Pessoa e pelo Fado.
"São pedaços do nosso país, apenas uma pequena amostra de exemplos de sucesso, dentro e fora de portas. Todos contam uma história, que é, orgulhosamente, de todos nós", explica ao Boas Notícias uma das responsáveis da Keyvalue, Ana Ferreira.
A Mala de Viagem concebida pela empresa, em cartão, "com um toque de saudosismo, como que lembrando tempos antigos, mas reinventada e inovada, como o trabalho das empresas que apresenta", não está à venda. Foi distribuída a 150 jornalistas, "opinion makers", empresários e representantes do governo com o propósito de servir a sua principal intenção: promover o lado bom do país.
No seu interior está a rica identidade portuguesa, que se estende entre a literatura e a produção vinícola, afirmando-se através de símbolos que, para nós, portugueses, são incontornáveis.
Ao abri-la, as surpresas saltam aos nossos olhos, uma após outra: há um sabonete Melodia, da Ach.Brito, a primeira fábrica portuguesa de sabonetes fundada em 1887, uma garrafa de vinho do Porto ODE, um suporte para velas em cortiça criado pela 3DCork e até o "velhinho", mas renovado, caderno azul da Firmo.
Porém, muitos outros produtos enchem esta mala, "demasiado pequena" para tudo o que há para mostrar. Há também, por exemplo, um "lápis pião" da empresa Viarco, uma garrafa de azeite com limão da José Gourmet, um prato da Porcel ou um 'voucher' para fazer, gratuitamente, uma visita guiada ao Museu do Fado.



No total, são 17 símbolos nacionais, que têm, todos eles, elementos indispensáveis em comum. Além de serem fabricados em Portugal e de se destacarem pela qualidade, são resultado do trabalho de empresas "com história e que sobreviveram à história do tempo" ou que "se atualizaram e adaptaram" criando produtos inovadores.
"Todos refletem um conjunto de valores e responsabilidade social, contribuindo para um ambiente de equilíbrio ético, ambiental e socioeconómico e promovem o bem-estar das pessoas", salienta a Keyvalue.
Segundo a empresa, "o impacto e a memória desta experiência farão com que, naturalmente, a mensagem se propague e os nomes e marcas representadas fiquem sempre presentes", cumprindo-se o objetivo da iniciativa: transmitir uma mensagem forte e positiva que dê Portugal a conhecer.
Mas a ambição não fica por aqui. "Queremos ir mais longe ainda e provocar uma reação em cadeia. Se os destinatários da mensagem a levarem mais longe, se eles próprios contarem a sua viagem por Portugal, descobrirem e redescobrirem lugares, produtos, sabores e músicas e transportarem a sua história além-fronteiras, então podemos contribuir para algo realmente importante".
Num contexto "socioeconómico complexo como o que estamos a viver", os exemplos que saem desta mala incentivam-nos, portanto, a percorrer "um caminho que, embora mais longo e difícil, tem oportunidades. Não são tão visíveis e óbvias, mas colocam-nos desafios importantes".
Depois de aberta, a mala que nos leva a viajar por Portugal deixa, então, uma proposta: a de "dar mais e melhor, procurar novos trilhos, por vezes ainda nem percorridos, desafiarmo-nos a nós mesmos e crescermos".

Festival de Ano Novo promove música clássica no Norte

Festival de Ano Novo promove música clássica no Norte
Vila Real e Bragança vão receber, a partir de dia 05 Janeiro, a 7ª edição do Festival de Ano Novo que promove a música clássica naquela região. Com o mote “Música séria para gente divertida” o festival pretende estimular o gosto pela música clássica em públicos de várias idades, quebrando preconceitos em relação a este género musical.

No total, os visitantes poderão desfrutar de 37 concertos tocados por diversos músicos entre os quais a orquestra de Jazz da Escola Profissional de Música de Espinho e o quarteto Tempus.

O grande destaque desta edição vai para o concerto da cantora Cristina Branco, acompanhada da Orquestra Clássica de Espinho, em que interpretará algumas das obras mais conhecidas do compositor Schumann.

Tal como no ano passado, este ano a rubrica “Café Vienense” também estará presente com pequenos concertos informais em cafés situados no centro histórico de Vila Real e algumas peças de teatro para as crianças, produções da Companhia de Música Teatral e da Arte Pública.

Assim, durante todo o mês de Janeiro, o Festival de Ano Novo vai percorrer as ruas de Vila Real e Bragança promovendo, ao mesmo tempo, o património cultural.

Clique
AQUI para aceder ao blog do Festival de Ano Novo.

Aplicação lusa para chamar táxis com um clique

Aplicação lusa para chamar táxis com um clique
Depois de uma aplicação para smartphone que lhe diz quanto tempo falta para o autocarro, a start-up portuguesa IZIMOOVE prepara-se para lançar no mercado mais uma novidade: a Taxi Motions, uma "app" para sistemas iOS e Android que dá ao utilizador a hipótese de saber qual é o táxi mais próximo e de o chamar de forma fácil e com poucos cliques.
De acordo com a Exame Informática, esta aplicação inovadora para smartphones e tablets está pensada tanto para os taxistas, como para os passageiros. No que respeita aos táxis, a Taxi Motions deverá permitir ao motorista - que terá de pagar uma comissão com valor "marginal" - gerir as requisições dos clientes e ver também, em tempo real, as áreas da cidade onde há maior procura.
Já os utilizadores terão somente que fazer o download da aplicação para o seu smartphone, e, de forma gratuita, poderão saber que táxi está mais próximo deles e estimar o custo da viagem que pretendem fazer. Caso queiram optar por serviços personalizados (como um táxi com cadeira de bebé ou ar condicionado), terão de pagar uma taxa acrescida.

"App" já foi testada em 10 táxis
Bernardo Alves, sócio e fundador da Ivi, explicou à Exame Informática que "ao contrário das centrais, não há barreiras à entrada e à saída deste serviço. Os taxistas não têm de gastar dinheiro em equipamentos para comunicar com a central e não têm de permanecer ligados a ela só porque estão a pagar esses equipamentos".
Além disso, de acordo com o responsável, esta "app" poderá abrir a possibilidade da existência de serviços baseados em 'vouchers', grupos de utilizadores frequentes ou táxi coletivo, sendo o factor segurança um elemento determinante. "Tanto o taxista como a pessoa que usa o táxi acabam por ser identificados pela plataforma", salientou.
Os responsáveis da IZIMOOVE querem não apenas chegar aos táxis independentes - cerca de metade da frota nacional -, mas também fazer concorrência às centrais tradicionais. Até agora, a "app" já foi testada em 10 táxis de duas companhias e o conceito provou ser viável, embora haja algum trabalho pela frente antes de esta se constituir como uma alternativa às requisições feitas por telefone.
A Exame Informática adianta ainda que, atualmente, a start-up está a negociar duas parcerias, uma com o operador de telecomunicações e outra com uma entidade financeira para facilitar, por um lado, a compra de tablets ou smartphones mais baratos e, por outro, para criar um sistema de pagamento para pagar a viagem através do telemóvel com recurso a comunicações sem fios.

Clique
AQUI para aceder ao site da Taxi Motions (ainda em construção).

Saúde: Investigadores lusos ganham bolsa mundial

Saúde: Investigadores lusos ganham bolsa mundial
Uma equipa de investigação da Escola Superior de Saúde de Bragança ganhou uma bolsa no valor de cinco mil euros para financiar um projeto que pretende melhorar a qualidade de vida das pessoas com doença pulmonar obstrutiva crónica. O projeto português foi um dos 45 premiados entre os 684 que foram apresentados a concurso.
A maioria dos projetos de saúde agora premiados pela Fundacion Mapfre são oriundos de Espanha ou de países de língua espanhola como México ou Perú, sendo o trabalho transmontano o único português a ter sido distinguido pela entidade.
Em declarações à Rádio Brigantia, André Novo, um dos investigadores envolvidos no projeto "Respire Qualidade de Vida", explicou que "o projeto tem por objetivo a implementação de um programa de enfermagem de reabilitação no domicílio em utentes com esta patologia", querendo a equipa "melhorar a sua qualidade de vida".
Segundo André Novo, o trabalho resulta de "uma parceria estabelecida entre a Escola Superior de Saúde e a Unidade Local de Saúde do Nordeste, mais concretamente com a Unidade de Cuidados na Comunidade de Carrazeda de Ansiães e os cinco mil euros vão servir para adquirir equipamento".
O português adiantou que o projeto vai desenvolver-se em Carrazeda de Ansiães durante o próximo ano, mas que o propósito é alargar o programa a toda a região.
"Neste momento temos identificados cerca de 14 utentes no concelho de Carrazeda de Ansiães, que fazem oxigenoterapia no domicílio, mas o nosso objetivo, a médio ou longo prazo, é alargar este tipo de intervenção a mais concelhos do distrito", sublinhou.
O projeto "pretende que a intervenção seja efetuada no domicílio dos doentes" já que estes têm "um grau de dependência um pouco elevado" - alguns dos quais precisam mesmo de fazer oxigénio durante 24 horas por dia. Assim, será possível conseguir "alguns ganhos ao nível da qualidade de vida e da capacidade funcional", concluiu André Novo.
Clique AQUI para aceder à lista completa de projetos vencedores.

Troia: Navio naufragado no séc. XIX traz novos dados

Troia: Navio naufragado no séc. XIX traz novos dados
Clique no link abaixo para ver um vídeo com imagens do navio Troia 1
Esta notícia tem conteúdo multimédia, clique aqui para visualizar
É um navio do século XIX e naufragou ao largo de Troia, Setúbal. Por enquanto não se sabe muito mais mas o arqueólogo que está a estudar os destroços, Adolfo Miguel Martins, suspeita que se trata de um navio de pesca ou transporte de sal. Hipóteses que serão confirmadas nos próximos meses e que trarão novos conhecimentos para o estudo das atividades comerciais da região.
por Patrícia Maia

O navio, batizado de Troia 1 e que tem mais de 30 metros de comprimento, está naufragado a duas milhas da costa de Troia. A proa está virada no sentido sul-norte e os destroços encontram-se muito fragmentados, o que leva o arqueólogo Adolfo Miguel Martins a acreditar que a embarcação tenha naufragado devido a um forte embate nas rochas quando se preparava para atracar no porto de Setúbal.

No início do mês, o arqueólogo, que está a fazer o mestrado em Património da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL) em parceria com o Instituto Politécnico de Tomar (IPT), com o apoio de uma equipa ligada às duas instituições, realizou diversos mergulhos no local tendo recolhido fragmentos das madeiras, das peças e outras provas (como fotografias e vídeos) que vão definir com precisão a data do naufrágio e indicar de que tipo de embarcação se trata.

O facto de ser o único navio naufragado na costa do alto Alentejo que se encontra devidamente declarado, "reveste esta investigação de uma importância especial", explica o arqueólogo ao Boas Notícias. Os dados recolhidos serão fundamentais para reforçar a tese de mestrado que Adolfo Miguel Martins está a realizar sob o título "Contributo para o estudo das rotas comerciais e marítimas do século XIX do estuário do Sado".

Navio sem sobreviventes

"Devido aos materiais que compõem o barco, que além do bronze já conta com a presença de muitos elementos em ferro, e analisando o tipo de âncoras e de amarras e a técnica de construção naval, acreditamos que se trata de uma embarcação do final do século XIX, provavelmente um lubre de pesca", explica Adolfo Miguel Martins.

Até agora a investigação não encontrou, nos destroços, contentores para transporte de cargas sólidas pelo que esta embarcação será, provavelmente, "um navio pesqueiro ou de transporte de material a granel, como o sal", explica Adolfo Miguel Martins, salientando que, nessa época, Alcácer exportava sal para várias zonas do país e também para fora de Portugal, sobretudo para a Irlanda.

O tipo de madeira usado na embarcação - sobretudo carvalho e, em algumas peças, pinho ibérico - deixa uma forte indicação que se trata de um barco português. Uma informação de resto reforçada "pelos registos documentais dessa época que apontam para o naufrágio de um barco português, ao largo de Setúbal, que terá resultado na morte de todos os tripulantes".

Nesta investigação - que por enquanto está a ser realizada sem qualquer fundo do Estado - tem sido fundamental a colaboração da professora do Politécnico de Tomar e orientadora da tese do arqueólogo, Alexandra Figueiredo, e do conservador e restaurador Cláudio Monteiro que tem feito a análise das amostras de madeira e metais recolhidas.

A equipa conta também com técnicos especializados, como um geólogo e outros colaboradores pontuais, sobretudo alunos da pós-graduação em Arqueologia Subaquática do IPT ou investigadores do Mestrado de Património da UAL, e ainda uma bióloga para analisar as variadas espécies animais e vegetais do local, muitas das quais são endémicas.

Um museu submarino

Adolfo Miguel Martins salienta ainda que a concretização desta investigação - que exige uma pesada logística como barcos, câmaras subaquáticas, fatos de mergulho e botijas de oxigénio - só se tornou possível graças ao apoio de várias entidades como a Direção-Geral do Património Cultural, o Troia Resort, a empresa de mergulho TopSub e a Câmara Municipal de Grândola, entre outras.

A investigação arrancou em Maio deste ano e deverá prolongar-se por quatro anos. Quanto ao espólio da embarcação, Adolfo Miguel Martins gostaria de manter o navio no fundo do mar mas pretende conseguir apoios para oferecer à população um acesso privilegiado a estes vestígios.

"Em princípio vamos avançar com a criação de um museu imersivo virtual que vai permitir visualizar os destroços tal como eles se encontram mas gostava também de conseguir criar um museu submerso com visitas guiadas ao local que podem ser feitas num barco de fundo transparente que, aliás, já há em Portugal", revela ao Boas Notícias.

Um museu que será particularmente interessante para as pessoas da região já que, aparentemente, o Troia 1 é um testemunho direto da História e das memórias do litoral do Alto Alentejo.

27 de dezembro de 2012

         | •
P

ensar é grátis. N


ão fazê-lo sai caríssimo.
Livros

Imprensa Nacional publica edição crítica de “ Amor de Perdição ”


Segundo a Lusa, fonte da Imprensa Nacional, a propósito desta edição crítica de “Amor de Perdição” de Camilo Castelo Branco, terá afirmado que “este é o primeiro título de uma série de obras do escritor, que se vão publicar”, acrescentando ainda “não iremos publicar toda a imensa obra de Camilo, mas alguns títulos escolhidos.
O próximo será ‘O Regicida’
”.
Esta edição que a Imprensa Nacional agora publica segue a edição de 1879, revista e prefaciada por Camilo Castelo Branco e publicada pela Livraria Moré.
Inclui ainda o prefácio à segunda edição do romance, em 1863, e uma carta que Camilo escreveu ao então ministro António Fontes Pereira de Mello, redigida a partir da cadeia da Relação do Porto, em Setembro de 1861.

De crítica certeira e pena afiada, nessa carta Camilo afirma que “muita gente está persuadida que ministros de Estado não leem novelas”, mas “é um engano”, pois segundo o escritor ouviu uma vez um governante dissertar sobre os caminhos de ferro, “com tanto engenho o fazia, de tantas flores matizara aquela matéria, que me deleitou ouvi-lo", afirma Camilo, referindo ainda que, nesse dia, encontrou o dito ministro a ler o romance “Fanny”.
Aquando do lançamento da quinta edição de “Amores de Perdição”, com o subtítulo “História de uma Família”, no respectivo prefácio Camilo não escondia o seu orgulho pelo facto do seu romance ter atingido tal patamar.
A “quinta edição me parece um êxito fenomenal e extra-lusitano”, escreve Camilo, que define a obra como “um romance romântico”, "declamatório", com “ideias celeradas que chegam a tocar o desaforo do sentimentalismo”, “visto à luz eléctrica do criticismo moderno”.
Camilo ouvira a história em criança, referida a um seu tio materno, Simão António Botelho, e decidiu passá-la ao papel tendo-a publicado em 1862.
E se o romance “fez chorar”, como escreve Castelo Branco, em 1879, também “faz rir” pois “tornou-se cómico pela seriedade antiga”.
Camilo Castelo Branco, que se suicidou aos 65 anos, cego, com várias dívidas, protagonizou um dos romances mais tórridos e pasto das más línguas, naquela segunda metade do século XIX.
Apaixonou-se por Ana Plácido, uma mulher casada com quem veio a casar.
Camilo Castelo Branco foi um escritor de extensa obra, mais de cinquenta titulos, até porque a escrita era o seu modo de sobrevivência. De entre eles destacam-se, para além do mais que conhecido “Amor de Perdição”, “ A brasileira de Prazins”, “A Corja”, “A queda de um Anjo”.

26 de dezembro de 2012

A PILITA ALENTEJANA
Rija, enquanto durou.
Agora q'amolengou
e antes q'a morda a cobra,
Vou atá-la c'uma corda
Pra ela nã me fugiri.
Preciso da sacudiri,
Leva tempo pá'cordari
Já nem se sabe esticari.
Más lenta q'um caracoli,
Enrola-se-me no lençoli.
Ninguém a tira dali,
Já só dá em preguiçari.
Nada a faz alevantari
E já nã dá com o monti,
Nem água bebe na fonti.
Que bich'é que lhe mordeu?

Parece defunta, morreu.
Deu-lhe p'ra enjoari,
Nem lh'apetece cheirari.
Jovem, metia inveja.
Com más gás q'uma cerveja,
Sempre pronta p'ra brincari.
Cu diga a minha Maria,
Era de nôte e de dia.

Até as mulheres da vila,
Marcavam lugar na fila,
P'ra eu lha poder mostrari !
Uma moura a trabalhari,
Motivo do mê orgulho.
Fazia cá um barulho !
Entrava pelos quintais,
Inté espantava os animais.

Eram duas, três e quatro,
Da cozinha até ao quarto
E até debaixo da cama.
Esta bicha tinha fama.
Punha tudo em alvoroço,
Desde o mê tempo de moço.
A idade nã perdoa,
Acabô-se a vida boa !

Depois de tanto caçari,
Já merece descansari.
Contava já mê avô:
"Niuma rata lhe escapou !"
É o sangui das gerações.
Mas nada de confusões,
Pois esta estória aqui escrita,
É da minha gata, a Pilita !
Turismo

Monte Gordo acolhe " O Bosque do Pai Natal "
Até ao próximo dia 06 de Janeiro, os visitantes que se dirigirem ao Parque de Campismo de Monte Gordo, na área das merendas, encontrarão “O Bosque do Pai Natal”.
Neste espaço, poderão encontrar um presépio vivo, música, insufláveis, animação, carrocéis e a incontornável casa do Pai Natal.
Além destas actividades para os mais pequenos, este espaço terá também diversas tendas, onde será possivel adquirir produtos artesanais, doces da época ou simplesmente tomar um café.
Este espaço é uma organização da companhia de teatro “Fech´ó Pano” de Vila Real de Santo António e conta com o apoio desta autarquia e da junta de freguesia de Monte Gordo.
"O Bosque do Pai Natal", funcionará das 10:30 às 19:00 durante os dias úteis, estando aberto até as 20:00 aos fins-de-semana, sempre com entrada livre.

Televisão

“ Perdidamente Florbela ” em exibição na RTP1

A RTP1 vai transmitir, de 26 a 28 de Dezembro, "Perdidamente Florbela", um filme de Vicente do Ó, protagonizado por Dalila Carmo.

Na sinopse pode ler-se que a história se passa na contemporaneidade de Florbela Espanca, anos 20, numa altura em que se separa, num processo violento de António (José Neves).
Entretanto, apaixonada por Mário Lage (Albano Jerónimo), volta a casar, mas a vida de esposa na província, calma e sem sobressaltos não se coaduna com a sua inquietação constante.
Não consegue escrever nem amar. Ao receber uma carta do irmão Apeles (Ivo Canelas), Florbela corre para junto dele.
Na cumplicidade do irmão aviador, Florbela procura um sopro em cada esquina da capital entre amantes, revoltas populares e festas de foxtrot.
O marido tenta resgatá-la para a normalidade, mas como dar rumo a quem tem sede de infinito?
Entre a realidade e o sonho, os poemas surgem quando o tempo pára. Nesse imaginário febril de Florbela, neva dentro de casa, esvoaçam folhas na sala, panteras ganham vida e apenas os seus poemas a mantêm sã, lê-se na nota de imprensa.
Escrito e realizado por Vicente Alves do Ó, produzido por Pandora da Cunha Telles, Pablo Iraola, “Perdidamente Florbela” é interpretado por Dalila Carmo, Albano Jerónimo, Ivo Canelas, Rita Loureiro, José Neves, António Fonseca, Carmen Santos, Maria Ana Filipe, Marques d’ Arede, Anabela Teixeira

22 de dezembro de 2012

Cultura

Guimarães passa testemunho a Marseille e Kosice

 
"Então ficamos..." é a mensagem do espetáculo que abre a programação de encerramento de Guimarães 2012, a que se seguirá a "Festa do não fim do mundo", programada com uma série de eventos que durarão até domingo.

“La Fura Dels Baus” e “Mi Casa es tu Casa” são dois regressos para este encerramento da Capital Europeia da Cultura que teve o seu início pelas 20:00 de 21 de Dezembro e terminará no domingo com a Gala de Natal da RTP, pelas 20:00.
Mas antes de começar o espectáculo “Então ficamos...”, decorrerá no Pavilhão Multiusos de Guimarães a cerimónia protocolar de passagem de testemunho a Marseille-Provence, em França e Kosice, na Eslováquia, Capitais Europeias da Cultura em 2013 .
Depois é a altura do centro histórico da cidade se animar e de voltar a ver os Fura dels Baus, com o cavalo e o "transformer" que regressam ao Toural para, a partir das 23:35 horas, entre uma parada de tochas, "vídeo mapping", uma rede humana e um coro infantil, fecharem a CEC 2012 e abrirem uma nova etapa, "Tempo para Guimarães ser mais".
A partir daí segue-se a "Festa do não-fim do mundo" que promete animar o centro histórico da cidade com DJ e muita animação numa programação organizada com os bares da zona.

Turismo

Fluviário de Mora promove " Uma carta ao Pai Natal vale uma entrada "


O Fluviário de Mora irá ter uma actividade nova nestas férias natalicias, premiando as crianças entre os 03 e os 12 anos com uma entrada grátis, desde que estas levem uma carta dirigida ao Pai Natal.

Esta acção irá decorrer entre os dias 17 de Dezembro e 02 de Janeiro.

Durante esta accão vai ser possivel às crianças descobrir o Segredo de Natal, bastando para isso preencher o formulário que será entregue na recepção do Fluviário e visitando todas as galerias expositivas.
Caso sigam todas as pistas correctamente e chegem ao fim, as crianças recebem uma surpresa.

Haverá também no Fluviário, os masterchefs que preparam e alimentam alguns animais, que lá habitam, onde as crianças vão poder ajudar na actividade "Aquarista por uma Hora" onde será possivel descobrir como e quando se alimentam estes peixes.
Esta actividade requer marcção prévia.

"À descoberta dos bastidores" é outra das actividades que requerem marcação prévia, permitindo esta actividade que as crianças descubram e aprendam como funcionam os aquários do Fluviário na quadra natalicia.
Por último as crianças poderão também na sala de aula/laboratório do Fluviário, descobrir algumas situações acerca de rios e lagos.
Nesta mesma sala existe um poster de seu nome "Sobre o Natal, eu sei..." onde os pequenos poderão ficar a saber as tradições desta época do ano, o Natal.
news_div.gifO ano em imagens |•

Com um clique em captions surge descrição da imagem

21 de dezembro de 2012


Projetos a concurso em 2012

A Leopoldina está de volta com mais uma
Missão Sorriso. E desta vez pode fazer sorrir
quem está mais próximo de si.

Pelo 10º ano consecutivo, o Continente lançou mais uma Missão Sorriso.
Este ano, com o objetivo de promover a melhoria da qualidade
de vida de crianças e seniores. Em breve divulgaremos os projetos finalistas.
Esteja atento, vote e ajude-nos a ajudar quem mais precisa.

Leopodina

• PROJETOS A CONCURSO •

• PROJETOS A CONCURSO •

“Rir é o melhor remédio?” - Avaliação da Intervenção dos Doutores Palhaços em Contexto Hospitalar

Operação Nariz Vermelho – Associação de Apoio à Criança
O projeto “Rir é o melhor remédio?”, uma iniciativa da Operação Nariz Vermelho, em parceria com o Instituto de Educação da Universidade do Minho, procura essencialmente avaliar os processos, condicionantes e impacto físico, psicossocial e institucional da intervenção dos Doutores Palhaços junto da criança hospitalizada.
Objetivo
Promover o reconhecimento do papel dos Doutores Palhaços na intervenção pediátrica;
Desenvolver e disseminar um corpo sólido de investigação e conhecimentos numa área nova e de relevo social;
Estabelecer parcerias com outros investigadores – à escala nacional e internacional, em estreita articulação com diferentes associações de Palhaços de Hospital;
Potenciar o diálogo entre o meio académico, o setor da saúde, o mundo empresarial e a sociedade civil.

• A SUA VOTAÇÃO •

Vote e ajude este projeto a ganhar
o apoio da Missão Sorriso.

Votar