30 de setembro de 2012

« 1962  , cartaz publicitário a Carcavelos / Estoril / Cascais ...
 

*  já a cigarra tem catarro -

« Assim devera eu ser
e não esta cigarra que se põe a cantar
e me deita a perder ...
Alexandre O’Neill
« planta de Lisboa de 1938 ...
 
Os deuses são felizes.



Vivem a vida calma das raízes.



Seus desejos o Fado não oprime,



Ou, oprimindo, redime



Com a vida imortal



Não há sombras ou outros que os contristem.



E, além disto, não existem …



Ricardo Reis
 
« A Cerveja * VADIA * k é mesmo Vadia ...
Camilo de Oliveira (Figueira da Foz, Buarcos, 23 de Julho de 1934- , morreu Lisboa, 29 de Setembro de 2012) foi um actor e argumentista português.
Vida
Nasceu nos camarins do Teatro do Grupo Caras Direitas, na altura o único teatro existente no concelho da Figueira da Foz, filho de Camilo Arejona de Oliveira, falecido em 1981, e de sua primeira mulher Ester Venâncio. Morreu dia 29 de Setembro, aos 78 anos, na sua casa no distrito de Setúbal, de doença prolongada.
Carreira
Durante a sua vida, contracenou com diversos artistas, como por exemplo Beatriz Costa, Raul Solnado, entre outros.
Seguiu uma linhagem bastante comum nas suas interpretações. Todas as suas personagens, usaram o seu nome próprio, LEONARDO Albertino, apenas com apelidos diferentes. Igualmente as séries de que fazem parte, possuiram sempre o prefixo "Camilo..." e, o tronco diabético é comum à maioria das séries: a personagem, Camilo que, por mais esforço que faça, não consegue interagir bem com o meio que o rodeia. As peripécias vividas pelo "Camilo", seja ele qual seja, são destinadas a divertir o espectador.
Igualmente, todos os "Camilos", foram criados por Camilo de Oliveira e, as séries escritas pelo mesmo; assim como a escolha dos actores que com ele contracenaram. Todas as séries foram transmitidas na SIC, com excepção para Camilo o Pendura, que fora transmitida na RTP1
Vida pessoal
Camilo já foi casado com Io Appolloni, actriz italiana, nascida em 1945 e, radicada em Portugal, desde 1965. Desse casamento, é pai de Camilo Humberto Appolloni de Oliveira, nascido em 1968 ou 1969.
Foi também pai de Camilo Luís Bettencourt de Oliveira, nascido em 1981, do seu casamento com Maria Luísa Bettencourt.
Desde 2002, foi casado com a actriz Paula Marcelo, nascida em 1967. Não teve filhos deste casamento.
Morte
Após várias complicações de saúde cada vez mais graves devido à sua idade abastada, Camilo de Oliveira acaba por ter que ser internado no hospital Santa Maria de Lisboa[2], onde alunos universitários da área de enfermagem lhe diagnosticaram uma constipação ligeira. No entanto, veio-se a revelar que a doença de que o actor padecia era uma gripe aguda, que lhe infectara já meio pulmão. Decorrem neste preciso momento investigações para averiguar se se poderá tratar de um caso de negligência médica.
Carreira
  • No teatro:
    • As Calcinhas Amarelas (de José Vilhena)
    • Padre Camilo
    • Cá Estão Eles
  • No cinema:
    • O Ladrão de Quem Se Fala

29 de setembro de 2012

Roteiros

Arco Triunfal da Rua AugustaLisboa é uma cidade plena de história e animação, o resultado do cruzamento de muitas influências culturais e diversos estilos de vida. Estes roteiros são programas pré-definidos que ajudam a conhecer determinadas zonas de Lisboa, estilos culturais ou mesmo espaços comerciais. Escolhemos e organizamos o que de melhor há em Lisboa, para facilitar a vida e gerir o tempo daqueles que por aqui vivem ou passeiam. Verifique o que pode conhecer na cidade e prepara-se para ir mais longe (ou mais rápido), com o auxílio destas sugestões. Pode optar entre roteiros que lhe mostram os monumentos e a cultura de Lisboa ou, simplesmente, o ajudam a descobrir restaurantes e lojas especializadas.

Passeios

Guia das Tascas de Lisboa
Tascas em Lisboa: se o tema é este, é bom definir o que entendemos por tasca. O conceito explica-se assim: é um restaurante com boa comida típica, preços baixos ou razoáveis e uma decoração que nada deve à modernidade. Lisboa tem imensas tascas, umas conhecidas da generalidade dos alfacinhas e quase icónicas. Outras são pérolas [...]
Roteiro de Cafés e Esplanadas
Lisboa é o sítio perfeito para viver nas ruas, café e esplanadas, durante todo o ano. A cidade está repleta de locais únicos para desfrutar do bom tempo quase permanente, enquanto aproveita para se refrescar ou recuperar energias. Aqui temos uma seleção dos melhores cafés e esplanadas de Lisboa, escolhidos a pensar nos dias (e noites) em [...]
Lisboa Family Friendly
Um guia de sugestões dedicado às famílias com crianças. Visite também a pumkin.pt.
Elevadores de Lisboa
Os elevadores são uma das mais conhecidas atrações turísticas de Lisboa. Atualmente, estão em funcionamento quatro equipamentos deste tipo, operados pela Carris. Foram todos projetados por Raoul Mesnier du Ponsard, um engenheiro de ascendência francesa nascido no Porto e contemporâneo de Gustave Eiffel. Em fevereiro de 2002, foram classificados como monumentos nacionais. Resultaram de um [...]
Passeio por Belém
Belém fica defronte ao ponto onde o rio Tejo desagua no oceano Atlântico. Daqui partiram muitas das naus que participaram nas expedições marítimas dos portugueses. Concentram-se nesta zona muitos dos monumentos, museus e jardins que comemoram agora essa história. Recentemente, modernos equipamentos foram erigidos na área: o Centro Cultural de Belém, o Altis Belém Hotel [...]
Guia de Restaurantes Baratos
Em Lisboa, é fácil conseguir uma refeição por menos de dez euros. Em toda a cidade existem muitos restaurantes que oferecem pratos baratos e que, adicionados a uma bebida e um café, ficam abaixo dessa bitola. Para verificar isto, nada como consultar os menus afixados exteriormente à porta dos restaurantes (especialmente aqueles de fachada mais [...]
Roteiro do Fado
O fado é a expressão musical de Lisboa, numa fórmula de origens pouco conhecidas, mas sempre associada à história da cidade. Enquanto porto de partida para a expansão marítima dos séculos XV, XVI e XVII, Lisboa recebeu visitantes e escravos provindos de África, América do Sul e Ásia, que aqui deixaram também as suas influências [...]
Roteiro Gourmet
Em Lisboa, a tradição de bem comer é bem antiga. O mais exclusivo restaurante da cidade, o Tavares, abriu portas em 1784 e desde aí que mantém uma clientela atraída pela sua decoração requintada e também pela elevação gastronómica. Mas só a partir dos últimos anos é que a oferta de bons restaurantes começou a [...]

Milano

Café-restaurante MilanoO café e restaurante Milano localiza-se no chamado pátio do Siza, um espaço interior projetado pelo arquiteto Siza Vieira, que fica no coração do Chiado, entre a rua Garrett e calçada Nova de São Francisco. Numa área onde abundam outros restaurantes, o Milano abriu em abril de 2012 e distingue-se pela boa combinação entre qualidade e preço. Funciona num registo entre café e restaurante, abrindo cedo e servindo tanto para pequenos pequenos-almoços, como para almoços, lanches ou jantares. Para além de uma confortável sala interior, decorada em tons de madeira, oferece aos seus clientes uma ensolarada esplanada no exterior.
Café-Restaurante MilanoNa ementa do Milano pode encontrar ovos, saladas, massas, bifes, hambúrgueres (atenção para a variedade de cogumelos portobello com guacamole) e ainda um par de pratos cozinhados no forno. Para os lanches, oferece torradas, scones e bagels acompanhados com compota e queijo creme. Nas sobremesas, destaque para o bolo de cacau e os iogurtes gregos. Tudo bem confecionado e condignamente apresentando. Se souber combinar bem as suas escolhas, também é um bom sítio para um brunch de fim-de-semana. O Milano está aberto todos os dias da semana e às sextas-feiras e sábados só encerra à 1h00 da manhã.

Mercado biológico do Príncipe Real

Mercado biológico do Príncipe RealO mercado biológico do Príncipe Real realiza-se, todos os sábados das 9h00 às 14h00, no jardim do mesmo nome. Foi aqui estabelecido, em 2004, como consequência de uma parceria entre a Câmara de Lisboa e a Agrobio, a associação portuguesa de produtores biológicos. Este não é um mercado muito grande, reunindo à volta de uma dezena de bancas, onde agricultores vindos de todo o país expõem os seus produtos e os vendem diretamente ao público, evitando assim intermediários. Mas a afluência ao local é sempre muito grande, porque ao longo dos anos este mercado foi conquistando uma clientela fiel.
Mercado biológico do Príncipe RealNo mercado biológico do Príncipe Real encontra uma grande variedade de frutas e hortaliças, mas também uma grande diversidade de cereais, pães e bolachas, ervas aromáticas, vinhos e azeites. Tudo produzido de acordo com as regras que definem a agricultura biológica e num ambiente simpático e tranquilo. Também há sempre lugar para degustações, onde os visitantes são convidados a provar alguns dos produtos expostos. Depois da visita, aproveite para conhecer um pouco melhor o próprio jardim, ou experimentar um dos novos cafés-restaurantes que têm aberto à sua volta (ou mesmo na rua da Escola Politécnica).

Museu da Carris

Museu da CarrisO Museu da Carris fica em Alcântara, numa antiga estação desta companhia de transportes públicos. As funções do museu são duplas: preservar o património histórico da empresa e mostrá-lo ao público, divulgando a história dos transportes coletivos em Lisboa. Os visitantes encontram aqui um grande sortido de objetos relacionados com o tema: fotografias, uniformes, bilhetes, equipamentos de oficina e os próprios elétricos e autocarros. A exposição está dividida em três áreas distintas. A transição entre a primeira e a segunda zona é feita através de um elétrico que pertence à própria coleção do museu, um veículo que entrou ao serviço em 1901 (o seu aspeto atual data dos anos 60 do século XX).
Museu da CarrisA primeira parte do museu desenvolve-se na antiga sede social da Carris. Aqui pode visitar uma biblioteca e três salas, onde os modelos expostos lhe mostram os primeiros veículos de tração animal, a chegada dos ascensores mecânicos à cidade, a adoção da tração elétrica no começo do século XX e os consequentes desenvolvimentos na rede da empresa. No segundo núcleo, construído nas antigas oficinas, pode admirar os veículos históricos que compõem a coleção da Carris e que se exibem restaurados e em perfeito estado de conservação. Muitos deles são ainda utilizados para viagens turísticas ou celebrar acontecimentos importantes.
Autocarro de dois andares no Museu da  CarrisDe um lado, estão os veículos de tração animal e os primeiros elétricos. No outro, encontra numa subestação reconstruída, onde se guardam os elétricos e autocarros que, a partir dos anos 50, circularam nas ruas da cidade. Finalmente, na terceira área (inaugurada em setembro de 2012) expõem-se veículos que ainda aguardam restauro. Aqui pode observar também uma exposição dedicada a presente dos “amarelos” da Carris na imprensa europeia, que ressalta o impacto crescente dos elétricos amarelos, enquanto ícones da promoção internacional da cidade de Lisboa.
Informações úteis
O Museu da Carris encerra aos domingos e feriados. Aos sábados fecha entre as 13h00 e as 14h00. As últimas entradas fazem-se sempre 30 minutos antes do encerramento. O bilhete de entrada custa três euros, com desconto de 50% para séniores, desempregados e jovens até aos 18 anos. Até aos seis anos, as crianças não pagam. Este museu aluga espaços para eventos e festas infantis de aniversário.

2 à Esquina

2 à EsquinaO restaurante 2 à Esquina fica no Desterro (que vai do campo Mártires da Pátria à avenida Almirante Reis), exatamente na esquina entre duas ruas perpendiculares. É um espaço sofisticado, mas descontraído. As cores verdes e os candeeiros do teto dominam uma decoração pensada para deixar à vontade os clientes. Esta é a primeira experiência empresarial de José Sousa e Elisabete Guilherme, os proprietários que trouxeram para aqui os segredos aprendidos nas suas anteriores vidas profissionais. Em abril de 2012, juntaram-se os dois nesta esquina para inaugurarem uma casa especializada nos tradicionais petiscos portugueses.
2 à EsquinaNa oferta do 2 à Esquina, encontram-se coisas tão típicas como pataniscas de bacalhau, ovos de tomatada à alentejana, morcela com ananás e o típico bife à Marrare (confecionado numa frigideira e acompanhado por um espesso molho de natas). Tudo feito de acordo com a tradição culinária, mas com uma evidente influência de terras alentejanas, onde viveu o chef João Pronto. O responsável pela cozinha pega em receitas populares e coloca-as na mesa com um toque pessoal, que vai fidelizando os comensais. Para sobremesa, sugere-se o inesperado salame de alfarroba e, nas bebidas, recomendam-se as sangrias. O 2 à Esquina encerra aos almoços de sábado e aos domingos.

Nood (Parque das Nações)

Nood ExpoO restaurante Nood da Expo localiza-se no terceiro andar do centro comercial Vasco da Gama, ocupando uma larga plataforma suspensa sobre o piso térreo daquele espaço. Claro que, a partir daqui, a vista é muito desafogada e atraente. Mas o que os clientes aqui procuram é, na verdade, a cozinha de inspiração asiática que anima esta cadeia de restauração. A decoração do restaurante aposta nas madeiras em tons escuros, longas mesas corridas e alguns sofás de couro, colocados numa área mais lounge. São estes os elementos que caraterizam o conceito Nood, que conta já com meia dúzia de lojas em Portugal e no Brasil.
Restaurante NoodA gastronomia alinha-se aqui também pelos temas que compõem a marca Nood. O menu oferece assim meia dúzia de pratos teppan (massas grelhadas na chapa), um sortido semelhante de ramen (massas soba servidas em sopa japonesa) e mais algumas combinações de sushi, os famosos rolinhos de arroz avinagrado recheados com salmão, delícias do mar, abacate e outros ingredientes. As sobremesas são combinações gulosas de gelados e chocolate. Para beber, lembre-se de sumos naturais como o zest (maça e limão) e o beta (cenoura e laranja). Em Lisboa, pode ainda visitar os restaurantes Nood no Chiado e em Campo de Ourique.
« Museu da Cidade – Óleo Terreiro do Paço ...

José Afonso - Como Se Faz Um Canalha


« FAÇAMOS O GOVERNO CAIR NA RUA ...


JOSÉ AFONSO - O País Vai de Carrinho


« o k faz falta é demitir urgentemente este governo e não permitir k outro kualker , oriundo seja de k família política for , repita os erros dos governos de Cavaco Silva , Sócrates e Passos Coelho ...


José Afonso - Os Vampiros (ao vivo no Coliseu)


28 de setembro de 2012


« Parque das Nações , Lisboa ...
 
« salinas , Alcochete ...
 
« Castelo dos Mouros , Sintra ...
 
« Aldeia da Roupa Branca ...

Ó rio não te queixes,
Ai o sabão não mata,
Ai até lava os peixes,
Ai põe-nos cor de prata.

Três corpetes, um avental,
Sete fronhas, um lençol,
Três camisas do enxoval,
Que a freguesa deu ao rol.

Água fria, da ribeira,
Água fria que o sol aqueceu,
Velha aldeia, traga a ideia,
Roupa branca que a gente estendeu.
Um lençol de pano cru,
Vê lá bem tão lavadinho,
Dormindo nele, eu e tu,
Vê lá bem, está cor de linho.






* No Reino do Pacheco *


Às duas por três nascemos,

às duas por três morremos.

E a vida? Não a vivemos.


Quero viver (deixai-nos rir!)

seria muito exigir...

Vida mental? Com certeza!

Vida por de trás da testas

será tudo o que nos resta?

Uma ideia é uma ideia

- e até parece nossa! -

mas quem viu uma andorinha

a puxar uma carroça?


Se à ideia não se der

O braço que ela pedir,

a ideia, por melhor

que ela seja ou queira ser,

não será mais que bolor,

pão abstracto ou mulher

sem amor!


Às duas por três nascemos,

às duas por três morremos.

E a vida? Não a vivemos.


Neste reino de Pacheco

- do que era todo testa,

do que já nada dizia,

e só sorria, sorria,

do que nunca disse nada

a não ser prà galeria,

que também não o ouvia,

do que, por detrás da teste,

tinha a testa luzidia,

neste reino de Pacheco,

ó meus senhores que nos resta

senão ir aos maus costumes,

às redundâncias, bem-pensâncias,

com alfinetes e lumes,

fazer rebentar a besta,

pô-las de pernas pró ar?


Por isso, aqui, acolá

tudo pode acontecer,

que as ideias saem fora

da testa de cada qual

para que a vida não seja

só mentira, só mental...


Alexandre O'Neil
« Sabugal , anos 40 ...

 
Concertos

« Metropolitana regressa aos concertos de domingo ...


Orquestra Metropolitana de Lisboa estará neste último dia de Setembro no cinema São Jorge em Lisboa para um concerto no âmbito das comemorações do Ano do Brasil em Portugal, onde sob a direcção de Cesário Costa interpretará obras de compositores brasileiros, tendo como solista no vibrafone, Ney Rosauro.
O percussionista e compositor Ney Rosauro,solista neste concerto em vibrafone, natural do Rio de Janeiro, é detentor de uma sólida carreira internacional.
Ney Rosauro estudou inicialmente em Brasilia, seguindo depois para a Escola Superior de Música de Wurzburg, na Alemanha, fez o doutoramento em Miami onde é hoje director de Estudos de Percussão.

Ney Rosauro evidencia, nas sua composições e interpretações, a sua formação e tradição clássicas, mesclando-as com o ritmo e as sonoridades que denunciam a sua origem brasileira.
Tem sido convidado para tocar com orquestras de todo o mundo mas é a primeira vez que Ney Rosauro toca com a Orquestra Metropolitana de Lisboa.
Do programa constam Abertura Concertante, de Camargo Guarnieri, Concerto para Vibrafone e Orquestra, de Ney Rosauro, Impressions de Clarisse Assad, Bachiana brasileira n.º 9 de Heitor Villa-Lobos e Mourão de César Guerra-Peixe.
O concerto será comentado por Rui Campos Leitão.
Lazer

« Tertúlias no Castelo sobre os “ Mistérios , Lendas e Mitos de Lisboa ” ...


No Outono, o Castelo de São Jorge recebe seis tertúlias de 16 de Setembro a 25 de Novembro, aos domingos, às 16:00.
Nesta terceira edição, comissariada por Gabriela Carvalho, a temática em debate será “Mistérios, Lendas e Mitos de Lisboa”.

Em cada tertúlia haverá vários convidados especiais irão orientar a tertúlia e falar sobre os mais variados temas. Em cada sessão é atribuído título dentro da temática genérica.
Dia 16 de Setembro,“Mistérios e curiosidades de Lisboa” será o tema em debate, com a presença de José Sarmento de Matos e ainda Marcantonio del Carlo, Marta Nunes e Cristovão Campos.

O tema para dia 30 de Setembro será os “Afectos de Lisboa”, com a participação de António Jorge Gonçalves e Miguel Brito.
As duas sessões de Outubro terão como debates, no dia 14, “Histórias da História de Lisboa”, com Elisabete Serol e Teresa Bispo, e dia 28, “Convivência de credos em Lisboa: mitos e lendas”, com Sheik Munir e Padre Feytor Pinto.
Para Novembro, logo no segundo fim-de-semana, dia 11, o Castelo de São Jorge acolhe uma tertúlia sobre “Lisboa e os mitos urbanos” que conta com a presença de Áppio SottoMayor e Cristina Leite, e para encerrar a programação, dia 25, sobre o tema “Três Olhares sobre Lisboa”, conversam Júlio Pomar, Vicente da Câmara e Jorge Salavisa.

A participação nas tertúlias é gratuita.
« Torre de Belém , Lisboa ...
 
« Alfama , Lisboa ...
 
« Feira da Ladra , Lisboa ...