20 de fevereiro de 2013


A Água de São Gens


Junto da povoação de Santos, freguesia de Mação, eleva-se monte bastante alto, de forma conica, cujo vertice é coroado pela branca capelinha de São Gens.
Este monte, terminado em pico, tem todas as caracteristicas dos de origem vulcanica, não lhe faltando a existencia de peixes, plantas e moluscos fossilisados, que ali se teem encontrado em abundancia.
Proximo da capelinha, para o lado sul, existe o resto de uma fonte arcada que se acha obstruida com pedras e lôdo, cuja agua foi sempre e ainda presentemente é, considerada milagrosa, muito procurada pelo povo desta região para a cura do fastio.
Esta agua, quer de inverno, quer de verão, sobe sómente até á altura das paredes da fonte; e se alguma extravasa sóme-se logo ali para não mais ser vista, atribuindo-se isso a um milagre de São Gens, como consta da seguinte lenda, que os povos destes sitios teem conservado e transmitido de geração em geração.
O monte, cheio de pinheiros e de expessos matagaes foi, em tempos remotos atacado por um violento incendio que consumiu toda a sua vegetação, á excepção, porem, da do vertice, que o incendio respeitou, ficando incolumes touças de torga, maninhos e pinheiros, que continuaram a verdejar no meio daquele quadro desolador de carvão e cinza.
Movidas de curiosidade foram ali algumas pessoas no intuito de descobrirem a causa d’aquele facto; e, percorrendo o local, foram encontrar em uma lapinha dos penhascos ao cimo do monte, a imagem de S. Gens, crendo então que por milagre dele o incendio não consumiu aquela parte do monte!
Dada a noticia do aparecimento do Santo aos povos circunvisinhos de Santos, Caratão e Castelo, resolveram eles trazer o Santo em procissão desde o alto do monte até ás abas do mesmo, onde se achava a Capela de S. Mateus e ali o colocaram.
No dia seguinte, porem, deram pela sua falta, tendo desaparecido misteriosamente. Procurando-o por toda a parte foram encontrai-o na mesma lapinha onde fora achado na vespera.
Trazido novamente para a Capela de S. Mateus mais uma vez desapareceu d’ali, sendo depois encontrado no mesmo sitio no alto do monte; pelo que o povo compreendeu que S. Gens com a sua fuga queria indicar-lhes que lhe fizessem ali uma capela; por isso trataram os habitantes circunvisinhos de a construirem começando desde logo a preparar os materiaes necessarios. Ao começar a obra lamentaram que seria muito penosa a condução da agua necessaria, pois que teriam de ir por ela a consideravel distancia e leva-la para o alto de tão ingreme outeiro; porisso toda aquela gente pediu ao Santo o seu patrocinio para que os livrasse desta dificuldade.
As suas préces foram ouvidas porque logo ali apareceu uma nascente de agua, que brotando impetuosa de uns penhascos, corria pelo monte abaixo até ao vale.
Cantando louvores ao Santo por aquele milagre edificaram em seguida a capela onde S. Gens ficou até hoje, e construiram no sitio onde a agua brotou a fonte de agua milagrosa que todas as gerações até ao presente têm usado com exito para a cura do fastio.
Não acaba ainda aqui a série de milagres de S. Gens:
Como a nascente era muito abundante os povos circunvisinhos lançaram mão daquelas aguas para a rega das suas propriedades; mas não se entendendo uns com os outros ácerca da partilha delas, querendo todos regar ao mesmo tempo, resultou dahi uma série de conflictos entre os interessados, que em continuas contendas e brigas disputavam a prioridade do uso das aguas para regas.
Em um ano, tão graves foram essas brigas que chegou a haver mortes de alguns individuos, facto que motivou grandes odios e malquerenças entre aquela gente outrora tão amiga.
São Gens, não querendo, certamente, que as suas aguas originassem tantos pecados nos homens, fez novo milagre: dali em deante as aguas que ali nasciam chegavam sómente até á altura das paredes do tanque da fonte, deixando de correr pelo monte abaixo, e se alguma trasbordava sumia-se logo ali, desaparecendo sem ninguem mais a ver; o que ainda hoje sucede.
Vendo neste acontecimento a intervenção de S. Gens, os povos contendores congrassaram-se e resignaram-se a ficarem sem agua para as regas dos seus predios como castigo ao seu egoismo e ás suas maldades.
A agua ainda hoje continua a nascer e a desaparecer junto á fonte, ainda mesmo no tempo das grandes chuvas de inverno, e continua a ser procurada e usada pelos doentes que sofrem de fastio, não sendo raro ouvir dizer para os indivíduos que comem com muito apetite: «Tu não necessitas beber agua de São Gens !»

Fonte: SERRANO, Francisco
Elementos Históricos e Etnográficos de Mação Mação, Câmara Municipal de Mação, 1998 [s/d] , p.151-153

Local-, MAÇÃO, SANTARÉM

Nenhum comentário:

Postar um comentário