4 de fevereiro de 2013

Teatro

As noites mais divertidas de Lisboa com “ Os Improváveis ”



Esta é uma oportunidade de ver e participar activamente num espectáculo, que está em cena há quatro anos.

Telmo Ramalho deu as boas vindas ao público explicando o que iria acontecer, “Vivemos de sugestões do público”.

De facto este é um espectáculo que vive da interacção com o público, o público pede e o grupo interpreta.
Não há guiões, personagens ou cenas pré- ensaiadas, cada espectáculo é único e completamente improvável. Se quiser um bis nunca será igual.

“La round”, “Portugal - Brasil”, “Reconstituição”, “O Sonho” e por fim “Estilos”, foram os jogos interpretados, todos hilariantes, os Improváveis deixaram o publico eufórico.

“O Sonho”, teve a particularidade de ter escolhido um elemento do público, Jocenil, que foi devidamente entrevistada em palco.
Após a entrevista “Os Improváveis” assumiram o que seria o sonho desta noite de Jocenil, baseado no retrato do seu dia a dia.
A história de vida de Jocenil, ganhou vida, em forma de sonho de uma forma muito improvável e muito divertida.

Para finalizar surge “Estilos”. Foi então solicitado ao público estilos de arte cinematográfica, com base em uma mensagem escrita de um elemento do publico, que serviu de argumento.Criou-se então um momento digno de ser presenciado.
Desde a personagem do Zombie, um musical mudo, uma novela mexicana, 4D, faroeste,Titanic, musical e porno, numa peça com uma sequência, todos estes estilos foram interpretados brilhantemente.

Além de todos estes grandiosos momentos de pura comédia, “Os Improváveis” ainda presentearam o público com um beberete antes do espectáculo, com Licor d’Amor, um licor de Chocolate e pirí-pirí, que segundo as palavras de Marta Borges “O amor e os improváveis casam muito bem” .




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário