15 de fevereiro de 2013

Teatro

“ O Estado de Bosque ” no Teatro da Cornucópia



O texto dá vida a um grupo de pessoas que tem em mente a travessia do bosque, guiado por um cego que se vê com tantas dúvidas como os viajantes que conduz.

“Qual é o sentido do trilho?”, pergunta Peter. “Não sei, cada trilho conduz a mais do que um sentido”, responde John Wolf.

Uma peça de teatro com uma forte mensagem subliminar, que fala sobre a sensação de vazio quando vemos desafiada a nossa felicidade que, nas sociedades de hoje, quase sempre é construída com base no poder do dinheiro.

Com encenação de Luís Miguel Cintra, o co-fundador e director do Teatro da Cornucópia, cenário e figurinos de Cristina Reis e interpretação de David Granada, Luís Miguel Cintra, Nuno Nunes e Vera Barreto.

O texto escrito pelo padre e poeta, José Tolentino de Mendonça, dá vida a John Wolf, Peter Weil, Jacob, Viviane Mars e o Destino.
Uma peça “poética”, segundo o próprio director, que aposta na iluminação (Cristina Reis e Luís Miguel Cintra com Rui Seabra) para transmitir estados de espírito e dar ao público a oportunidade de sentir este vazio, a solidão escura, o medo daquilo que não é palpável.

“O Estado de Bosque” está inserido no ciclo “O Nome de Deus” do qual fizeram parte, em Janeiro, as leituras de “Gennariello”(Pier Paolo Pasolini) e “Duas Cartas” (Paul Claudel).

Luís Miguel Cintra explicou ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC) que este ciclo é quase um “manifesto” perante o “momento de trevas” por que passam “o teatro e as artes em geral, como consequência da declarada financeira”.

Uma peça introspectiva e desconcertante a que vai poder assistir, de 07 a 24 de Fevereiro, no Teatro da Cornucópia (terça a sábado às 21:00 e domingo às 16:00).

Nenhum comentário:

Postar um comentário