6 de fevereiro de 2013

Teatro

“ A Paz ”de António Tarantino no Teatro da Politécnica



Esta peça conta-nos a história de dois exilados que são enviados para o deserto, Arafat (General) e Sharon (Presidente), com o objectivo de passarem por “Experiências duras, difíceis, amargas”.

O inicio da peça é feito através de uma voz de mulher, que pronuncia o “interdito da água e do fogo”, enviando as personagens para o deserto.
No decorrer da história, estes sofrem as mais variadas consequências, sendo castigados pela vida infame que levaram, pela guerra constante que causaram, por se acharem acima de tudo e de todos.
Um politico e um general, castigados pela sua imoralidade e prazer na guerrilha constante.
Ao longo desta peça, António Tarantino mostra-nos diferentes épisódios, desde a “Cidade dos mortos”, onde os dois exilados ouvem a voz de Che Guevara, passando por “As tâmaras do oásis de Touzeur”, “A Puta”, até ao episódio “O temível urso tunisino”.
Segundo António Tarantino, esta peça surge porque “Apeteceu-me mandar Arafat e o Sharon para o exílio, para o deserto, fazê-los sofrer as maiores misérias. Porquê? Porque não foram capazes de fazer a paz
Contudo, quando se adivinhava um final trágico para estas personagens, devido a todas as provações, castigos e acusações, António Tarantino procura um final que, de certa forma, ridiculariza Sharon e Arafat.
A explicação para este facto surge do próprio Tarantino “aqueles dois não mereciam a honra duma conclusão trágica da peça, mas um final ridículo, anti-heróico, não os queria colocar num pedestal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário